0
Skip NavigationMenu
Skip NavigationMenu
    • 30 SET, 2020

    Karim Fizazi, MD, PhD

    Karim Fizazi, MD, PhD

     

    Final data from the pivotal phase 3 ARAMIS trial (NCT02200614) with darolutamide and androgen deprivation therapy (ADT) showed that the combination continued to demonstrate a statistically significant improvement in overall survival (OS) versus ADT alone in patients with nonmetastatic, castration-resistant prostate cancer (CRPC).1

     

    Results showed that darolutamide plus ADT resulted in a 31% reduction in the risk of death compared with ADT alone in this patient population (HR, 0.69; 95% CI, 0.53-0.88; P =.003). This statistically significant improvement was observed despite more than half of patients, or 56% (n = 309/554), who were taking placebo receiving subsequent darolutamide or other life-prolonging treatment after the trial was unblinded at the November 15, 2019 data cutoff for the final analysis.

     

    “Through ongoing research, we have established the importance of focusing treatments on extending lives and limiting [adverse] effects for men living with nonmetastatic CRPC,” Karim Fizazi, MD, PhD, professor of medicine at the Institut Gustave Roussy, stated in a press release.2 “With these encouraging darolutamide results, physicians are further armed to treat based on the multiple needs of this patient population, including efficacy, delaying morbidity, and treatment tolerability.”

     

    In the double-blind, placebo-controlled, multicenter phase 3 trial, investigators set out to evaluate the safety and efficacy of darolutamide in combination with ADT in a total of 1509 patients with nonmetastatic CRPC who were receiving a concomitant gonadotropin-releasing hormone analog or had a bilateral orchiectomy. Patients were randomized in a 2:1 fashion to receive either oral darolutamide at a dose of 600 mg twice daily plus ADT (n = 955) or placebo plus ADT (n = 554). Participants continued treatment until disease progression, discontinuation of treatment due to toxicities, the start of another anticancer treatment, or withdrawn consent.

     

    The demographic and clinical characteristics of the 2 treatment arms were noted to be well balanced at baseline. All participants had an ECOG performance status of 0 or 1 and a prostate-specific antigen (PSA) doubling time of 10 months or less. Participants were stratified by PSA doubling time (6 months or less vs greater than 6 months) and whether they had received osteoclast targeted therapy.

     

    During the double-blind treatment period, data were collected at 16-week intervals. Data were also collected at the start of the open-label treatment period and every 16 weeks thereafter until the end of the trial. Trial treatment was discontinued upon metastatic progression. At that time, treatment outside of the trial protocol could be given at the discretion of the treating physician.

     

    The primary end point of the trial was metastasis-free survival (MFS), and key secondary end points were comprised of OS, time to pain progression, time to initiation of first cytotoxic chemotherapy, time to first symptomatic skeletal event, as well as safety and tolerability of darolutamide.

     

    At the time of the primary analysis of ARAMIS, the MFS with darolutamide was 40.4 months compared with 18.4 months with placebo; this translated to a 59% reduction in the risk of metastasis or death (HR, 0.41; 95% CI, 0.34-0.50; P <.0001).3,4 Additionally, for those who experienced metastatic progression, the distribution of sites of metastases were comparable between the treatment arms. The data cutoff date was September 3, 2018 for the primary analysis.

     

    The unblinding of the treatment assignments was completed on November 30, 2018. At this time, all 170 patients who had still been receiving placebo crossed over to the darolutamide arm.

     

    The data cutoff for the final analysis was November 15, 2019. The median follow-up time was 29.0 months for the study population. At this time, just under half, or 49%, of those who were originally randomized to the experimental arm were still receiving darolutamide; 86% of those in the crossover cohort were also still receiving the study drug.

     

    Moreover, the median duration of treatment with darolutamide was 25.8 months during the double-blind and open-label portions of the trial combined. The median duration of treatment with placebo was 11.6 months during the double-blind period of the trial. Those in the crossover cohort had a median duration of treatment with darolutamide of 11.0 months.

     

    Fifty-five percent of patients (n = 307/554) were given subsequent treatment with darolutamide or life-preserving therapy. Additionally, 137 of 384 patients who had been randomized to the placebo arm, who had discontinued treatment before the unblinding occurred, received subsequent life-prolonging treatment that was not darolutamide. These treatments included docetaxel, abiraterone acetate (Zytiga), and enzalutamide (Xtandi). Fifteen percent (n = 141/955) of those in the darolutamide arm received subsequent life-prolonging treatment beyond darolutamide.

     

    The final OS analysis was conducted after 254 and 106 deaths had been reported in the darolutamide and placebo arms, respectively. Eighty-three percent (95% CI, 80-86) of patients on the experimental arm were alive at 3 years versus 77% (95% CI, 72-81) of those on the placebo arm. Moreover, the risk of death was substantially lower with the androgen receptor therapy versus ADT alone (HR, 0.69; 95% CI, 0.53-0.88; P =.003).

     

    Across both arms, the number of prostate cancer–related deaths was higher than the number of deaths that occurred from other causes, although the trial was not powered to evaluate the impact of darolutamide on deaths due to disease.

     

    Notably, the impact of treatment on OS was found to favor darolutamide compared with placebo across the following subgroups analyzed: baseline PSA doubling time of 6 months or less or more than 6 months, geographic region, presence or absence of lymph node involvement at baseline, and ECOG performance status of 0 or 1 at baseline.

     

    Time to pain progression, time to first use of cytotoxic chemotherapy, and time to first symptomatic skeletal event were analyzed hierarchically. Data from the primary analysis demonstrated a longer time to pain progression with the androgen receptor compared with ADT alone, at a median of 40.3 months versus 25.4 months, respectively (HR, 0.65; 95% CI, 0.53-0.79; P <.001).

     

    More patients in the investigational arm compared with the placebo arm had not yet received their first cytotoxic chemotherapy at 3 years, at 83% versus 75%, respectively. Those who received darolutamide/ADT experienced a substantially longer time to first use of cytotoxic chemotherapy compared with those who were given placebo (HR, 0.58; 95% CI, 0.44-0.76; P <.001). Moreover, the androgen receptor therapy plus ADT was also linked with a significantly longer time to first symptomatic skeletal event versus ADT alone (HR, 0.48; 95% CI, 0.29-0.82; P =.005).

     

    With regard to safety, 85.7% of participants who received darolutamide/ADT experienced adverse effects (AEs) versus 79.2% of those who received ADT alone in the double-blind portion of the trial and 70.0% of those in the crossover cohort. The percentage of patients who experienced toxicities that resulted in treatment discontinuation were comparable between the arms, at 8.9% in the experimental arm and 8.7% in the control arm.

     

    Results from the final analysis of the safety of the androgen receptor proved to be consistent with the data that had been reported at the time of the primary analysis. At this time, 13.2% of patients on the experimental arm experienced fatigue; this toxicity was reported in over 10% of the patients on that arm during the double-blind period of the trial. Toxicities reported in more than 5% of patients on either arm proved to be comparable.

     

    “MFS and OS were significantly longer with darolutamide than with placebo among men with nonmetastatic CRPC and a PSA doubling time of 10 months or less,” the study authors concluded. “An OS benefit was observed even though more than half the patients in the placebo group received subsequent treatment with darolutamide or another life-prolonging therapy.”

     

    In July 2019, the FDA approved darolutamide for the treatment of patients with nonmetastatic CRPC based on earlier data from ARAMIS.

     

    References

    Fizazi K, Shore N, Tammela TL, et al. Nonmetastatic, castration–resistant prostate cancer and survival with darolutamide. N Engl J Med. 2020;383(11):1040-1049. doi:10.1056/NEJMoa2001342

    New England Journal of Medicine publishes final data for Nubeqa (darolutamide) plus androgen deprivation therapy showing a statistically significant improvement in overall survival in men with non-metastatic castration-resistant prostate cancer. News release. Bayer. September 9, 2020. Accessed September 28, 2020. https://bit.ly/3ie9nZ3.

    Fizazi K, Shore ND, Tammela T, et al. ARAMIS: efficacy and safety of darolutamide in nonmetastatic castration-resistant prostate cancer (nmCRPC). J Clin Oncol. 2019;37(suppl 7):140. doi:10.1200/JCO.2019.37.7_suppl.140

    Fizazi K, Shore N, Tammela T, et al. Darolutamide in nonmetastatic, castration-resistant prostate cancer. N Eng J Med. 2019;380(13):1235-1246. doi:10.1056/NEJMoa1815671

    Source: OncLive

Conheça a AEOP

12º Congresso AEOP

MARQUE NA SUA AGENDA

31 de maio e 1 de junho de 2019

Visite o site do evento

Conheça os workgroups

Acompanhe o trabalho mais recente de alguns dos Workgroups da AEOP.

Iframe Grupo Mama
Iframe Grupo Dor
    • Propriedade
      Associação Enfermagem Oncológica Portuguesa (aeop)
      Estrada Interior Circunvalação, 6657
      4200 – 177 Porto, Portugal
      Telefs. – 936962099/934448816
      E.mail: revista@aeop.pt
      URL: https://www.aeop.pt/revista-onco-news/

      Ficha Catalográfica
      REVISTA ONCO.NEWS, Porto, 2007
      Revista Onco.News / propriedade da AEOP
      Revista de educação e formação em enfermagem Oncológica, iniciada em 2007

      Título da Revista: Onco.News
      Título da Revista abreviado: Revista ON
      Título de Registo de Marca Nacional:
      ISSN 1646 – 7868
      Depósito Legal:
      ISSN 1646 – 7868
      Projecto gráfico e maquetização:
      Medesign Lda., Porto

      Maquetização:
      Medesign
      Impressão:
      Norgráfica Lda.
      Desenvolvimento e manutenção da plataforma da Revista
      RHP
      Tradução para Língua Espanhola
      Gabinete de apoio a projetos da AEOP
      Apoio Documental e Conversão Hyper Text Markup Language (HTML)
      Medesign
      Atribuição DOI (Digital Object Identifier)
      Crossref.org
      Tiragem:
      500 exemplares
      Periodicidade:
      Bimestral

      Assinaturas:
      Para ser assinante da Revista Onco.News deve ser membro individual da AEOP pelo valor anual de 10 euros ou membro coletivo Nacional por 40 euros. Para Membro coletivo Internacional o valor é de 60 euros.

      Para aquisição de artigos a não membros, o valor é de 5 euros cada artigo em pdf e pode ser pedido para revista@aeop.pt

    • NORMAS DE PUBLICAÇÃO REVISTA Onco.News (ON)

      PRINCIPIOS
      A Revista Onco.News cumpre os critérios de uma revista de divulgação internacional, indexada e divulgada em documento físico e em formato eletrónico em diversas bases de dados nacionais e internacionais. O interesse dos autores em submeterem artigos científicos de qualidade prestigia a Revista, pelo que damos a maior atenção aos processos de revisão, de forma a salvaguardar princípios científicos e éticos de edição e divulgação.

      O conteúdo dos artigos é da exclusiva responsabilidade dos seus autores, aos quais compete respeitar os princípios éticos da investigação e cumprir as normas e orientações de edição da Revista. Ao publicar na Revista, os autores transferem os direitos autorais para a mesma. A Revista segue as normas da American Psychological Association (APA 6ª edição, 2011).

      Consideram-se as regras do novo acordo ortográfico pelo que o Editor salvaguarda o seu direito de modificar termos de Português do Brasil para português de Portugal. Os artigos são organizados de acordo com as normas APA, em função de uma categoria específica (Artigos de Investigação; Teóricos/Revisão; Revisões Literatura). As Revisões da Literatura (Sistemáticas ou Integrativas). As Revisões Sistemáticas a publicar na Revista deverão cumprir as exigências de síntese da evidência implementadas pelo Portugal Centre for Evidence Based Practice, em coerência com as políticas Cochrane; Cochrane – Revisões:

      O artigo submetido por e-mail para os serviços revista@aeop.pt, assim que aceites para análise pelo Diretor da revista ON, automaticamente os autores assumem:
      . A originalidade dos artigos submetidos;
      . A não submissão/publicação a qualquer outro periódico, entre outros;
      . A responsabilidade dos autores;
      . A de cedência de direitos de autor;
      . A existência de parecer de comissão de ética (se aplicável);
      . A existência de autorização institucional (se aplicável);
      . O respeito pelos princípios dos conflitos de interesse.

      O Processo de submissão dos artigos processa-se online, através da página web da AEOP.
      O processo de revisão por pares, double blind, tem 8 fases (Pré-análise, Revisão por pares, Gestão de artigo, Tratamento técnico e documental, Revisão final, Maquetização e atribuição de DOI, HTML, Divulgação impressa e digital). Os artigos admitidos podem ser em língua portuguesa ou Espanhola. A Revista é também divulgada em formato impresso.

       

      ESTRUTURA DO ARTIGO
      . Tipo: Devem ser artigos originais e versarem temas de Oncologia, enfermagem e educação, estruturados de acordo com o guião adequado à sua tipologia.
      . Título: Deverá ser informativo e sucinto, redigido na afirmativa, em português ou Espanhol (máximo de 15 palavras), sem abreviaturas, nem indicação da localização da investigação.
      . Autores: Devem ser em número não superior a 5, devidamente identificados, com o nome e respetivas habilitações, categoria profissional, instituição onde exercem funções, país, contactos (e-mail, telefone) e fontes de financiamento do estudo (se for o caso).
      . Resumo: O resumo do trabalho deve ser apresentado em português ou Espanhol e em Inglês, não deve exceder 150 palavras. Deve ser estruturado de acordo com os tópicos de análise crítica específicos de cada artigo.
      . Palavras-chave: O artigo deve apresentar, no máximo, 5 palavras-chave, transcritas de acordo com os descritores MeSH, em português ou Espanhol, inglês (Pesquisar em: http://decs.bvs.br/. Quando não se encontrar um descritor para uma palavra-chave, considerada relevante no estudo, esta pode ser incluída por decisão do autor.

       

      – Texto: Estrutura do texto:
      Os Artigos de Investigação devem conter as seguintes secções: Título, Resumo, Palavras-chave, Introdução, Enquadramento/Fundamentação Teórica, Questões de Investigação/Hipóteses, Metodologia, Resultados, Discussão e Conclusão.
      Os Artigos Teóricos devem conter as seguintes secções: Título, Resumo, Palavras-chave, Introdução, Desenvolvimento/Dissertação e Conclusão.
      NOTA: Excecionalmente, nos estudos qualitativos, para facilitar o trabalho de análise compreensiva, podem fundir-se as secções RESULTADOS E DISCUSSÃO
      Os Artigos de Revisão Sistemática devem conter as secções: Título, Resumo, Palavras-chave, Introdução, Método de Revisão Sistemática, Apresentação dos Resultados, Interpretação dos Resultados e Conclusão.
      Os Artigos de Revisão Integrativa devem conter as secções: Título, Resumo, Palavras-chave, Introdução, Procedimentos Metodológicos de Revisão Integrativa, Resultados e Interpretação, Conclusão.

      – Formato: O texto deve ser apresentado em formato Word, letra Arial, tamanho 11, espaço 1,5, sem justificação, páginas em formato A4 (margens superior e inferior de 2,5cm e margens esquerda e direita de 3cm), em coluna única, evitando negritos e sublinhados, variação do tipo de letra, fundos de cor, etc.. Não deve incluir notas de rodapé. O artigo não deverá ultrapassar as 15 páginas incluindo referências bibliográficas, tabelas e figuras (gráficos, imagens, etc).
      NB: Os autores devem dar a maior atenção aos aspetos morfológicos e sintáticos do discurso, evitando erros, redundâncias, jargão…

      – Tabelas e figuras (gráficos, imagens, etc): Apenas devem ser incluídos os que sejam absolutamente necessários para a compreensão do artigo. Devem ser referidos no texto e estar numerados por ordem de inclusão, em função de cada tipo. Os comentários aos dados e resultados apresentados devem anteceder as respectivas figuras, gráficos, imagens, etc. As tabelas devem apresentar o número e título em cabeçalho e as figuras (gráficos, imagens, etc) devem apresentar o número e título no respetivo rodapé. Quando não são construídas pelos autores, devem conter a Fonte.

      – Citações: As citações podem ser diretas ou indiretas. Na citação direta, ou textual, a transcrição ipsis verbis do texto original deve ser apresentada entre aspas e acompanhada do autor, data de publicação e número da página. A citação indireta, ou paráfrase, deve ser acompanhada do autor e data de publicação. A citação no texto deve seguir as normas da American Psychological Association (APA 6ª edição, 2010). Todos os autores citados deverão constar da lista de referências bibliográficas.

      Como exemplo, citar:
      – Obra com 1 autor: Walker (2007)
      – Obra com 2 autores: Walker e Allen (2004)
      – Obra de 3 autores: Bradley, Ramirez, e Soo (1999), Etc…
      – Obra de um grupo: (University of Pittsburgh, 2005)
      Nota: Deve indicar-se também o número de página, no caso de citação textual, tal como nos exemplos: Pereira (2009, p. 20) ou (Pereira, 2009, p. 20).

      – Referências bibliográficas: As referências selecionadas devem ser preferencialmente primárias. Devem colocar em evidência as publicações mais representativas do Estado da Arte, em particular as dos últimos 5 anos. As fontes devem ser localizadas, privilegiando a pesquisa em bases de dados de revistas nacionais e internacionais indexadas. As referências bibliográficas devem estar elaboradas de acordo com as normas da American Psychological Association (APA 6ª edição, 2010). Todas elas deverão estar citadas no artigo. A lista de referências bibliográficas não deverá exceder 15 títulos.

      Normas da American Psychological Association (APA), Exemplos:
      Livros Um autor: Cunha, M. I. (2008). O bom professor e a sua prática (20ª ed.). Campinas, Brasil: Papirus Editora.
      – Dois autores: Oliveira, J. E. P., & Milech, A. (2004). Diabetes mellitus: Clínica, diagnóstico, tratamento multidisciplinar. São Paulo, Brasil: Atheneu.
      – Três, quatro ou cinco autores:  Bell, M., Bush, D., Nicholson, P., O’Brien, D., & Tran, T. (2002). Universities online: A survey of online education and services in Australia. Canberra, Australia: Department of Education, Science and Training.
      – Seis ou mais autores: Incluir na bibliografia os nomes até sete autores Levy, S. N., Silva, J. J. C., Cardoso, I. F. R., Werberich, P. M., Moreira, L. L. S., Montiani, H., & Carneiro, R. (1997). Educação em saúde: Histórico, conceitos e propostas. Brasília, Brasil: Ministério da Saúde.
      NB: Quando tem oito ou mais autores, incluir os nomes dos seis primeiros autores, seguido de reticências
      – Autor de colectividade (organismo, instituição…): Ordem dos Enfermeiros. Comissão de Especialidade de Enfermagem de Saúde Infantil e Pediátrica. (2010). Guias orientadores de boa prática em enfermagem de saúde infantil e pediátrica (Vol. 1). Lisboa, Portugal: Autor. Ministério da Saúde. Direcção-Geral da Saúde. (2008).
      – Artigos de Publicações Periódicas: Gallagher, S., Phillips, A. C., Oliver, C., & Carroll, D. (2008). Predictors of psychological morbidity in parents of children with intellectual disabilities. Journal of Pediatric Psychology, 33(10), 1129- 1136. Recuperado de http://jpepsy.oxfordjournals.org/content/33/1 0/1129.full  Potter, P., Deshields, T., Divanbeigi, J., Berger, J., Cipriano, D., Norris, L., & Olsen, S. (2010). Compassion Fatigue and Burnout : Prevalence among oncology nurses. Clinical Journal of Oncology Nursing, 14(5).
      – Documento impresso com DOI: Edwards, A. S. (1957). Case Studies in Childhood Emotional Disabilities. Journal of EducationalPs ychology, 48(7), 470‐471. doi: 10.1037/h0039337 Documento eletrónico com DOI:  Buckley, D., Codina, C., Bhardwaj, P., & Pascalis, O. (2010). Action video game players and deaf observers have larger Goldmann visual fields. Vision Research, 50 (5), 548‐ 556. Recuperado de http://www.sciencedirect.com/science/article/B6T0W‐4XVC4KW‐ 1/2/18ef13d8ac72c9d722b905102216d898. doi: 10.1016/j.visres.2009.11.018

      Procedimentos de submissão do artigo e documentos a juntar
      1º Passo: Entrar no site da Revista
      2º Passo: Clicar no Menu em “Submeter Artigo”
      3º Passo: Preenchimento dos dados solicitados (nomeadamente informação sobre autores – num máximo de 5).
      4º Passo: Preenchimento e submissão automática dos conteúdos obrigatórios a cada tipo de artigo: a) Artigo de Investigação b) Artigo Teórico); artigo de Revisão Sistemática d) Artigo de Revisão Integrativa; assumir termo único (ético-legal, responsabilidade e conflito de interesses);
      5º Passo: Enviar o artigo completo em formato word para revita@aeop.pt construído de acordo com os tópicos específicos de cada tipo de artigo.

      Processo de Revisão
      Os artigos propostos são apreciados num processo Double blind (duplamente cego, i.e., os intervenientes – autores, revisores, gestores de artigo – são anonimizados). Processo de revisão dos artigos submetidos à Revista tempo limite de resposta em 60 dias.
      No caso de aceitação do artigo estar condicionada a modificações, estas devem ser realizadas pelos autores no prazo máximo de 10 dias.
      A decisão final acerca publicação dos artigos é da responsabilidade do Director da Revista.

    • Princípios Ético-Legais Fundamentais

      Declaração de Ética

      Como parte dos nossos esforços para melhorar a qualidade da revista, gostaríamos de sublinhar a importância de manter elevados padrões éticos na publicação de artigos na Revista Onco.News. Na nossa atividade editorial, estamos a trabalhar no sentido de adotar os Principles of Transperency and Best Practice in Scholarly Publishing criados pelo Committee on Publication Ethics (COPE), o Directory of Open Access Journals (DOAJ) e a Open Access Scholarly Publishers Association (OASPA). Estes Princípios podem ser consultados em http://publicationethics.org/files/u7140/Principles_of_Transparency_and_Best_Practice_in_Scholarly_Publishing.pdf.

      Estamos ainda a trabalhar no sentido de adotar as Code of Conduct and Best Practice Guidelines for Journal Editors, visível em http://publicationethics.org/files/Code_of_conduct_for_journal_editors.pdf

      Considerações de natureza ética e profissional

      Os artigos com perfil político ou os artigos com avaliações tendenciosas ou incorretas de outros trabalhos científicos e outros especialistas não são aceites para publicação. Mantemos um processo de double-blind peer-review e temos revisores com elevadas qualificações académicas e experiência prática no domínio da enfermagem oncológica. A nossa prioridade são os artigos inovadores a nível científico e com importância efetiva para a enfermagem oncológica. Valorizamos a investigação aplicada, bem como a prática baseada em evidências.

      Publicação Enganosa

      Os artigos devem ser originais e não devem incluir dados manipulados ou informações fraudulentas. Os artigos devem descrever resultados com o máximo de precisão possível, e evite usar declarações de opiniões como sendo factos. O manuscrito deverá apresentar os resultados de forma direta e não induzir o leitor em erro ou gerar mal-entendidos. É importante analisar o significado dos resultados e, ao mesmo tempo, é fundamental não sobre-interpretar os resultados. Uma interpretação excessiva ou tendenciosa não irá contribuir para os avanços científicos e irá induzir os leitores em erro.

      Normas éticas para publicação na Revista

      A publicação de um artigo numa revista peer-reviewed é um componente essencial no desenvolvimento de uma rede de conhecimentos coerente e respeitada. Trata-se de um reflexo direto da qualidade do trabalho dos autores e das instituições que os apoiam. Os artigos peer-reviewed sustentam e incorporam o método científico. Assim, é importante chegar a um consenso sobre as normas de comportamento ético para todas as partes envolvidas no ato de publicação: autor, editor-chefe, revisor, editor e sociedade. O Conselho Editorial da Revista Onco.News encara as suas funções de tutela sobre todas as fases de edição com a máxima seriedade e reconhecemos as nossas responsabilidades éticas e outras. Estamos empenhados em garantir que a publicidade, a reimpressão ou outras receitas comerciais não tem impacto ou influência sobre as decisões editoriais. Além disso, a Revista Onco.News e o seu Conselho Editorial irá ajudar nos contactos com outras revistas e/ou editores sempre que for útil e necessário.

      Proteção dos Participantes da Investigação e Consentimento Informado

      A revista Onco.News apoia as políticas de proteção dos participantes em investigação do International Committee of Medical Journal Editors (ICMJE)
      http://www.icmje.org/recommendations/browse/roles-and-responsibilities/protection-of-research-participants.html.
      Ao reportar investigações que envolvem dados de seres humanos, os autores devem indicar se os procedimentos seguidos foram avaliados por uma comissão de ética (institucional e nacional), ou, na ausência de comissão de ética formal, os autores devem referir que os procedimentos estavam em conformidade com a Declaração de Helsínquia, revista em 2013. Se houver dúvida se a investigação foi realizada em conformidade com a Declaração de Helsínquia, os autores devem explicar a razão para a sua abordagem do estudo e demonstrar que a instituição aprovou explicitamente todos os aspetos do estudo. A aprovação de uma comissão de ética não impede o editor de formar o seu próprio julgamento sobre a adequação da investigação.
      Os doentes têm direito à privacidade que não deve ser violado sem consentimento informado. As informações de identificação, incluindo nomes, iniciais, ou números de hospitais não devem ser publicadas em descrições escritas, fotografias ou genealogia a menos que a informação seja essencial para fins científicos e que o paciente (ou tutor legal) dê consentimento informado por escrito para autorização da publicação. O consentimento informado para este propósito requer que seja mostrado o conteúdo a um paciente identificável antes do artigo ser publicado.
      Os detalhes de identificação não essenciais devem ser omissos. O consentimento informado sobre a possibilidade de identificação deve ser obtido se houver qualquer dúvida de que o anonimato pode ser mantido. Por exemplo, mascarar a região dos olhos em fotografias de pacientes é uma proteção inadequada do anonimato. Se forem visíveis características de identificação, os autores devem fornecer a garantia de que foi pedido o consentimento aos participantes para essa divulgação. O editor terá em consideração que as alterações às características de identificação não distorcem o significado científico.

      Responsabilidades dos autores

      Os autores devem garantir que os seus artigos são honestos, claros, precisos, completos e equilibrados, e devem evitar informações enganosas, seletivas ou ambíguas. No que diz respeito aos deveres dos autores, adotámos a declaração de posição Responsible research publication: international standards for authors que foi criada na 2ª Conferência Mundial sobre Integridade Científica. Estas normas estão disponíveis em http://publicationethics.org/files/International%20standards_authors_for%20website_11_Nov_2011.pdf.

      Responsabilidades do Coordenador Editorial

      O Coordenador Editorial deve considerar-se membro integrante da comunidade editorial profissional mais alargada, manter-se informado das políticas e avanços mais relevantes e garantir que a sua equipa editorial recebe formação adequada treinado e está igualmente informada sobre questões relevantes. Em relação aos deveres, adotámos a declaração de posição Responsible research publication: international standards for editors que foi criada na 2ª Conferência Mundial sobre Integridade Científica em http://publicationethics.org/files/International%20standard_editors_for%20website_11_Nov_2011.pdf.

      Responsabilidades dos revisores

      Os revisores desempenham um papel central e fundamental no processo de peer-review. Este processo tem um papel importante no sentido de garantir a integridade da Revista. O processo depende, em grande medida, da confiança estabelecida, e exige que todos os envolvidos atuem com responsabilidade e ética. Em relação aos deveres dos revisores, adotámos as COPE Ethical Guidelines for Peer Reviewers. Estas normas estão disponíveis em http://publicationethics.org/files/Peer%20review%20guidelines.pdf.

      Declaração de Boas Práticas de Publicação

      A má conduta académica (plágio, fraude, violação dos direitos de propriedade intelectual, etc.) sob qualquer forma não será tolerada pela revista. Em casos de suspeita de má conduta (plágio, fraude, violação dos direitos de propriedade intelectual, etc.), será formado um painel para avaliar o conteúdo da reclamação. Se a reclamação for baseada em elementos de prova, o artigo em causa será rejeitado da consideração para publicação na Revista Onco.News e todos os autores e as respetivas instituições serão informados. Nos casos em que o artigo já tenha sido publicado antes da má conduta ter sido identificada, será exigida uma retratação aos autores ou ao conselho editorial da Revista e o caso será tornado público.

      Declaração de Privacidade: Os nomes e endereços de correio eletrónico facultados a esta revista serão usados exclusivamente para os fins declarados por esta revista e não serão disponibilizados para qualquer outra finalidade ou a qualquer outra entidade.

      Declaração de Direito Autoral

      Os autores que publicam na Revista Onco.news DEVEM assinar uma Declaração Ético-Legal, de Responsabilidade e Conflito de Interesses. Ao assinarem o Termo Único, os autores afirmam que:
      a) O artigo a ser submetido à Revista Onco.news é original, não se encontra publicado em qualquer outra revista, livro de atas ou capítulo de livro e não está atualmente em apreciação, na íntegra ou em partes, por outra revista;
      b) Todos os direitos de autor do artigo são transferidos para a Revista assim que este for aceite para publicação eletrónica ou impressa;
      c) O artigo não tem plágio e cumpre com rigor os processos de referenciação e citação estabelecidos pela Revista;
      d) O artigo descreve com precisão, na metodologia, o cumprimento de todos os aspetos ético-legais para realização da investigação;
      e) Todos os autores do artigo assumem total responsabilidade por qualquer má prática inerente aos princípios acima descritos, ou quaisquer outros que prejudiquem a dignidade científica da Revista e os princípios de rigor da comunidade científica;
      f) A aprovação de uma instituição deve ser apresentada (se aplicável);
      g) O parecer da Comissão de Ética deve ser apresentada (se aplicável);
      h) Não possuem conflitos de interesse (pessoais, comerciais, académicos, políticos ou financeiros);
      i) Todos os apoios financeiros e materiais recebidos para o desenvolvimento da investigação estão descritos no texto.

      Todos os autores devem ler e concordar com as condições apresentadas neste Termo Único e concordar com o facto de o autor correspondente poder assinar em seu nome. DEVE ser validada, juntamente com o artigo a ser submetido, uma Declaração Ético-Legal, de Responsabilidade e Conflito de Interesses.

       

    • Todos os artigos on-line estão com acesso livre ao Abstract.
      Os artigos Completos em PDF estão com acesso livre para o Membros AEOP após efetuarem Login.
      Caso pretenda ter acesso a artigos completos em formato PDF, poderá registar-se como membro AEOP.

      Para os Não Membro AEOP, o acesso ao artigo em formato PDF tem um custo de 5 euros.
      Deve solicitar o artigo pretendido para revista@aeop.pt.
      O pagamento da Taxa processa-se por MB ou Transferência Bancária usando o IBAN PT50 003503740000226193084

    • A revista é enviada on-line a todos os membros de forma gratuita.
      Para Instituições ou Organização coletivas, o valor anual da aquisição da revista ON é de 40 Euros/Ano.
      Para fazer a sua Inscrição anual, submeter a adesão como membro colectivo na secção de Adesão a Novo Membro.
      Para aquisição de Revista Individual (avulso) em formato PDF, valor é de 5 euros.
      Deverá solicitar para revista@aeop.pt.

       

      Formas de Pagamento
      – Por Multibanco
      Se pretenderem efetuar a liquidação através de Multibanco, utilizar o NIB 003503740000226193084. Após efetuarem a transferência, deverão comunicar com o nosso secretariado via e-mail (revista@aeop.pt) ou enviar SMS para 936962099
      – Pelo homebanking
      Se pretenderem efetuar a liquidação através da Internet (transferência bancária) o NIB é 003503740000226193084. Na transferência deverão escrever “pedido artigo”.

    • Revisão de um artigo científico submetido á Revista Onco.News – Double-Blind Reviewed

      A Revista Onco.News publica os seguintes tipos de artigos:
      Artigos Originais/Investigação – Artigos de Investigação apresentam as seguintes secções: Título, Resumo, Palavras-chave,  Abstract, Key-words, Introdução, Enquadramento/Fundamentação Teórica, Questões de Investigação, Metodologia, Resultados e Discussão, Conclusão e Referencias Bibliográficas.
      Artigos Teóricos – apresentam as seguintes secções: Título, Resumo, Palavras-chave,  Abstract, Key-words, Introdução, Enquadramento/Fundamentação Teórica, Conclusão e Referencias Bibliográficas.
      Artigos de Revisão Sistemática – apresentam as seguintes secções: Título, Resumo, Palavras-chave Abstract, Key-words, Introdução, Objetivos, Metodologia Sistemática, Resultados e Discussão, Conclusão e Referencias Bibliográficas.
      Artigos de Revisão Integrativa – apresentam as seguintes secções: Título, Resumo, Palavras-chave,  Abstract, Key-words, Introdução, Objetivos, Metodologia Integrativa, Resultados e Discussão, Conclusão e Referencias Bibliográficas.

      PROCESSO DE REVISÃO

      A Revista onco.News é integralmente gerida em meio digital. Apresenta um processo de revisão por pares, double blind, percorrendo cada artigo um ciclo de 5 fases da submissão à divulgação, com tempos médios definidos num total de 90 dias. Ao longo do processo, os autores vão sendo informados em que fase se encontra o seu artigo.
      As fases do processo de revisão são:
      1 – Pré-análise – Após submissão do artigo, com todos os documentos necessários, o Coordenador Revista verifica se o artigo tem condições para entrar no processo de revisão. Nesta fase, os artigos de tipo quantitativo são analisados por estatísticos que verificam o desenho, os métodos e a apresentação e análise de dados. Verificam-se todos os itens do checklist específico do artigo, particularmente estrutura e princípios normativos.
      Se o artigo for recomendado para entrar no processo de revisão passa à fase seguinte.
      2 – Revisão por pares – O artigo é enviado a 2 revisores da lista de revisores especializados no tema em avaliação. . Sempre que não se observar acordo entre os 2 revisores o artigo é enviado para um terceiro. Quando um revisor não cumpre o tempo definido é retirado do processo de revisão e substituído por um terceiro (situação que atrasa o tempo médio de revisão).
      Após resposta dos autores a todas as recomendações dos revisores (saco se aplique), o artigo entra em fase de Gestor de artigo. Ao gestor compete verificar se o artigo tem condições para ser publicado, comparando o artigo antes da revisão com o artigo modificado pelos autores em função das recomendações propostas pelos revisores. Com a concordância do Gestor de artigo o mesmo prossegue para a fase de Maquetização e Correcção Final.
      3 – Maquetização e Correcção Final – Os técnicos de documentação verificam o formato normativo das referências bibliográficas e os tradutores verificam o idioma dos abstracts. Seguidamente o texto científico é verificado em fase de Revisor final pela Gestão da Revista.  O texto científico é verificado sob o ponto de vista morfológico e sintático.
      4 – Maquetização e Atribuição de DOI – Os artigos são maquetizados e é atribuído o Digital Object Identifier (DOI).
      O autor recebe as provas maquetizadas do artigo (versão portuguesa ou Espanhola) antes da publicação. As provas devem ser verificadas, validadas, e devolvidas pelos autores ao Coordenador da revista num período de 48 horas.
      NB: Em situação de não receção das provas no tempo estabelecido, o Editor não se responsabiliza por qualquer erro ou omissão que possa ser publicado.
      Os Técnicos documentais procedem à criação dos metadados (HTML, XML e materiais de divulgação seletiva). O artigo entra em fase de Divulgação Impressa e Digital.
      5 – Divulgação Impressa e Digital – Finalmente os artigos ficam disponíveis na página da revista em acesso livre para os membros subscritores em texto integral; são enviados para todas as bases de dados, indexadores e circuitos de divulgação. Será também impressa em papel e enviada aos membros subscritores.
      Quando um artigo chega à fase de Revisão final, não fica assegurada a sua publicação imediata. A publicação depende do volume de artigos entrados e aceites sequencialmente para publicação.

    • EDITOR
      AEOP – Associação Enfermagem Oncológica Portuguesa

      DIRECTOR DA PUBLICAÇÃO
      M. Jorge Freitas
      MsC, RN, Departamento Radioterapia do IPO Porto
      Enfermeiro Especialista Enfermagem Comunitária, Mestrado Bioética e Ética Médica; Pós-Graduação Gestão de Unidade de Saúde

      EDITOR CONSULTIVO
      Mónica Castro
      RN, Oncohamatology Department, Harley Street Clinic, London

      CORPO EDITORIAL
      Emília Rito, RN, Fundação Champalimaud, Lisboa Portugal
      Maria Graça Braz, Porto, RN, IPO Porto, Porto, Portugal
      Ana Paula Figueiredo, RN, IPO Porto, Porto, Portugal
      Ana Paula Moreira, RN, IPO Porto, Porto, Portugal
      Sara Torcato, RN, Hospital Cuf, Lisboa, Portugal
      Carina Raposo, RN, MSC, Centro Hospitalar Porto, Porto, Portugal
      Catarina Marques, RN, Centro Hospitalar Lisboa Norte, Lisboa, Portugal
      Susana Miguel, RN, IPO Lisboa, Lisboa, Portugal
      Marisa Matos, RN, IPO Porto, Porto, Portugal

      REVISORES POR PARE
      Ana Pinto Fonseca
      MSc, Mestrado em Ciências de Enfermagem, Professora da Escola Superior de Enfermagem de S. João de Deus – Universidade de Évora, Évora, Portugal
      Bruno Magalhães
      MSc, RN, Professor Escola Superior Enfermagem Santa Maria, Porto, Portugal
      Eunice Sá
      MsC, Professora na Escola Superior Enfermagem Lisboa, Lisboa, Portugal
      Esmeralda Barreira
      MSC, PhD Mestrado em Psicologia e Mestrado em Counselling; Docente na Universidade Fernando Pessoa, Porto; Clínica Pulmão IPO Porto, Portugal
      Maria Deolinda Dias Pereira
      MSC, Mestrado em Ciências de Enfermagem, Especialista Enfermagem Médico-cirúrgica, Lisboa, Portugal
      Ana Leonor Ribeiro
      PhD, Professora da Escola Superior Enfermagem Porto, Porto, Portugal
      Luís Batalha
      PhD, Doutoramento em Ciências da Saúde, ramo Biologia Humana, Professore da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, Coimbra, Portugal
      Isabel Maria Tarico Bico Correia
      MSc Mestre em Sociologia, Professora da Escola Superior de Enfermagem de S. João de Deus Centro de Investigação em Ciências e Tecnologias da Saúde – Universidade de Évora, Évora
      Clara Costa Oliveira
      PhD, Investigadora de pesquisa em Realidade, Exclusão e Cidadania na Terceira Idade – UNISC (Brasil) Centro de Estudos Humanísticos da Universidade do Minho, Professora na Universidade Minho, Braga, Portugal
      Ingrid Felix Modesto
      RN, Especialista em Oncologia, Hospital Sírio Libanês, S. Paulo, Brasil

      REVISORES FINAIS
      M. Jorge Freitas, Diretor Revista Onco.news
      Mónica Castro, Editor Consultivo da Revista Onco.News